Consórcio de Imóveis: Programar a compra da casa própria é a melhor opção

Consórcio de Imóveis: Programar a compra da casa própria é a melhor opção

Por 1consórcio
Publicado em: 27/01/2011

A demanda pela casa própria só tem aumentado nos últimos anos. Junto a esse movimento, surge a dúvida: qual a melhor maneira de pagar por um imóvel? O pagamento à vista é a melhor opção, pois garante desconto e evita juros altos. Mas como trata-se de bens de alto valor, buscar recursos no mercado é inevitável.

Para quem precisa de empréstimo, duas modalidades se destacam, o crédito bancário e o consórcio. A escolha tem que ser baseada nas necessidades básicas do comprador.

Para quem optar pelo financiamento imobiliário pode preparar o bolso: com parcelas acessíveis e prazos mais longos, os juros de cerca de 8% ao ano, além de demais despesas com taxas, farão com que imóveis de R$ 150 mil custem, no final mais do que o dobro; atingindo cerca de R$ 350 mil. A estimativa tem como base renda mensal de R$ 2.500 e parcelamento de 30 anos.

Para imóveis com valor até R$ 130 mil, considerando o mesmo salário, é possível se enquadrar no programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal. Nesta opção, as parcelas flutuam na média de R$ 750, há subsídio no valor do imóvel,  porém é necessário ter cuidado na hora da negociação, pois depois se  algum ítem exigido pelo governo não estiver enquadrado a solicitação será rejeitada. Muitos consumidores reclamam da qualidade e localidade do imóvel, como também da dificuldade de manter as prestações em dia.

Especialistas consultados pelo Diário são unânimes em apontar que, no caso de a mudança não ser iminente, o melhor caminho é programar a compra do imóvel, por meio do Consórcio de Imóveis.

O número de participantes subiu 8% em 2010, ante o mesmo período de 2009. Essa forma de crédito movimentou R$ 19,8 bilhões no acumulado do ano - 26,9% a mais que no ano anterior, segundo a Abac (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios).

O economista-chefe do Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo), Celso Petrucci, defende que a modalidade é economicamente mais vantajosa do que o financiamento, mas é preciso ter disciplina financeira. Petrucci ressalta ainda que ambas as formas de crédito não se comparam, em razão de, no consórcio, o consumidor adquirir Carta de Crédito, e não a residência.

No consórcio não há juros, apenas taxa administrativa, na média de 18% sobre o valor total da carta. Isso contribui para que a parcela e o tempo para pagar sejam menores. No consórcio há sorteios, em que os participantes do grupo podem ser contemplados com o valor integral adquirido.

 

Faça uma Simulação

Você pode adquirir casa, carro ou moto pagando parcelas mensais sem juros.

Ver Planos

O que deseja?

Consórcio de Imóveis Escolha o Produto