Crise não atrapalhou consórcio, que registrou números recordes em 2009

Por 1consórcio
Publicado em: 15/03/2010

Economizar e formar um patrimônio pessoal e familiar. Esses foram os motivos que levaram muitos brasileiros a aderir ao Sistema de Consórcios no ano passado. O resultado mostrou que, mesmo diante de um cenário de crise, o consumidor adquiriu cotas de bens como veículos, motos e imóveis, e superou as expectativas da Abac (Associação Brasileira de de Administradores de Consórcios).

Ao longo do ano passado, 1,98 milhão de cotas foram comercializadas – número recorde desde 2000 e 11,24% superior que o registrado em 2008 (1,78 milhão de cotas). Considerando as contemplações, elas acumularam 933,5 mil entre janeiro e dezembro do ano passado. O número é 13,8% maior que o registrado no ano anterior (820 mil) e é o maior desde 1997.

“Ao projetarmos um crescimento entre 6% e 8%, fomos conservadores em razão do momento vivido pelo país no último trimestre de 2008”, disse o presidente executivo da Abac, Paulo Roberto Rossi. “Contudo, o consumidor brasileiro, estimulado e tendo analisado os vários mecanismos disponíveis para uma compra parcelada, buscou o Sistema, constatando que, mais que a aquisição de um bem ou serviço, estava a possível economia e a formação de um patrimônio pessoal ou familiar”.

Para 2010, a associação espera um crescimento maior que 10%.

Participantes e ativos

Somente no último mês de 2009, as novas adesões evoluíram 10,9%. Considerando o número de participantes ativos, o aumento em dezembro foi 4,7% maior na comparação com o mesmo mês de 2008.

Ao todo, o Sistema de Consórcios conta com 3,8 milhões de participantes ativos, considerando os segmentos de veículos leves, pesados, imóveis, eletroeletrônicos e serviços. O número é o maior desde 2000.

Diante de tantos números favoráveis, a estimativa é que o Sistema de Consórcios tenha obtido no ano passado R$ 79 bilhões em ativos – número 46,3% maior que o verificado em 2006. Os recebíveis saíram de R$ 47 bilhões naquele ano para R$ 68 bilhões em 2009.

As estimativas revelam que pode haver um aumento de 48,7% na arrecadação de tributos em relação ao arrecadado em 2006 (R$ 566 milhões). A Abac espera que arrecadação tenha atingido os R$ 842 milhões no ano passado.

Lei dos consórcios

“A legislação conferiu uma maior e melhor estabilidade jurídica à atividade e às partes envolvidas, ou seja, grupo, participantes e administradora de consórcios”, afirmou Rossi, referindo-se à Lei dos Consórcios, em vigor desde fevereiro do ano passado.

Para a Abac, a nova regra propiciou maior transparência ao sistema e reforçou a credibilidade dessa forma de aquisição de bens e serviços. A Lei 11.795/2008 estabeleceu que o termo consórcio passa a ser definido como uma reunião de pessoas físicas ou jurídicas em grupo, com prazo de duração e número de cotas previamente determinados, promovida por uma administradora de consórcio, com o objetivo de facilitar aos integrantes, em igualdade de condições, a aquisição de bens ou serviços por meio de autofinanciamento.

O texto estabelece que o grupo de consórcio será representado por sua administradora e os consorciados devem escolher, em assembleia geral, três participantes que os representarão diante dessa administradora.

Além disso, diz a Lei, o interesse do grupo de consórcio prevalece sobre o interesse individual do consorciado. O grupo de consórcio é autônomo em relação aos demais e possui patrimônio próprio, que não se confunde com o de outro grupo nem com o da própria administradora.

Faça uma Simulação

Você pode adquirir casa, carro ou moto pagando parcelas mensais sem juros.

Ver Planos

O que deseja?

Consórcio de Imóveis Escolha o Produto