Financiamento de Carro: Propaganda de "juros zero" ilude o consumidor

Financiamento de Carro: Propaganda de "juros zero" ilude o consumidor

Por 1consórcio
Publicado em: 11/05/2010

Parcelar o pagamento em até cinco anos, e comprar um automóvel sem entrada,  são apenas alguns dos incentivos que o consumidor tem na hora de adquirir o carro novo. E com tantas facilidades, o comprador pode até se confundir e acabar pagando mais caro no financiamento.

A Pro Teste (Associação dos Consumidores) pesquisou as formas de financiamento de quatro grandes montadoras – Ford, Volkswagen, Chevrolet e Fiat -, além de bancos e financiadoras de veículos e chegou à conclusão de que o consumidor que tiver pressa para fechar o negócio, vai pagar mais caro. Na hora de comprar o carro, o cliente deve ficar atento ao CET (Custo Efetivo Total). Na conta do CET entram as taxas de juros, prazos e encargos que aumentam o valor final do veículo.

Segundo o economista Carlos Eduardo Oliveira, especialista em crédito e conselheiro do Corecon-SP (Conselho Regional de Economia de São Paulo), a dica é pesquisar e fazer simulações de financiamento em diversos locais.
"O consumidor deve pesquisar no banco onde é correntista, em outras instituições financeiras e na financiadora da concessionária para saber qual o menor juro".

Segundo a pesquisa da Pro Teste, o financiamento nos bancos pode ser realmente mais vantajoso, pois com mais opções, o cliente pode voltar na concessionária e negociar melhores condições. Além do financiamento há também a possibilidade de aquirir um consórcio de automóveis, dependendo da pressa do consumidor, pois deverá esperar para ser sorteado ou dar o lance para a carta de crédito.

De acordo com a Pro Teste, a propaganda de que carros são vendidos com “juros zero” ilude o consumidor. O órgão indica que a condição só é verdadeira em raros casos, como para quem paga 50% de entrada e parcela o saldo em no máximo 24 meses. Além disso, juro zero não significa custo efetivo total zero. Para o financiamento são cobradas taxas de administração e de abertura de crédito que podem ser mais caras que o convencional para compensar o zero de juros.

De acordo com o economista e professor do Insper (Instituto de ensino e pesquisa), José Dutra Vieira Sobrinho, os juros zero "não existem e as taxas de financiamento nunca são bem explicadas ao consumidor". A dica do economista na hora de financiar um veículo é o consumidor definir exatamente o valor que o o consumidor tem para dar de entrada e em quantas parcelas quer financiar.

O exemplo é o seguinte: se um motorista vai comprar um veículo que custa R$ 40 mil, tem R$ 10 mil para dar de entrada e quer parcelar o saldo em 36 meses, ele tem que visitar vários locais e optar pela menor parcela. Isso porque a esmagadora maioria das pessoas não sabe calcular taxa de juros, então tem que fazer pesquisa. Assim ele vai comprar naquela que pedir a menor prestação, sempre lembrando da forma de pagamento inicial.

Faça uma Simulação

Você pode adquirir casa, carro ou moto pagando parcelas mensais sem juros.

Ver Planos

O que deseja?

Consórcio de Imóveis Escolha o Produto