Financiamento de Imóveis: Propaganda enganosa faz mutuário perder o imóvel

Financiamento de Imóveis: Propaganda enganosa faz mutuário perder o imóvel

Por 1consórcio
Publicado em: 18/05/2010

A mudança nos contratos de financiamento imobiliário tem transformado cada vez mais o sonho da casa própria em realidade e, às vezes, em pesadelo.

Isso porque apesar das facilidades em se conseguir um empréstimo, em média em 30 dias, a retomada do patrimônio, em caso de atraso nas prestações, está mais rápida. Se antes o processo durava anos na Justiça, hoje em menos de um ano o mutuário pode perder a casa e ainda todo o dinheiro investido no imóvel.

Prazos de pagamento mais longos e maior garantia de ressarcimento ,no caso de calote, foram os motivos que levaram a Caixa a privilegiar os contratos de alienação judiciária. Nessa modalidade, a propriedade fica em nome do banco até o pagamento da última prestação, quando passa a ser do mutuário.

Desde 2004 nós já mudamos os contratos e hoje quase 96% são feitos por alienação. Isso deu mais garantia na retomada do imóvel por falta de pagamento, já que se o proprietário atrasa dois dias o pagamento, a Caixa já pode entrar com um processo de retomada do imóvel.

Na alienação judiciária, a dica é tentar fazer um refinanciamento com o banco o mais rápido possível. Caso o mutuário atrase três prestações consecutivas, ou seja, 90 dias sem pagar, o banco pode pedir a quebra do contrato e o mutuário é visto como uma “pessoa invasora”, segundo Marcelo Dornellas, advogado especialista em direito imobiliário.

O banco tem direito de reaver o imóvel, já que ele é o proprietário e o mutuário tem somente o direito do uso. Se não pagou a prestação, o banco tem o direito de rescindir o contrato, sem a necessidade de uma ação judicial, como já é feito nos financiamentos de veículos.

Para renegociar um contrato, o mutuário deve comunicar imediatamente a Caixa, caso contrário com dez dias de atraso o nome já vai para o SPC/Serasa.

Cerca de 2.000 contratos de financiamento em São Paulo estão nessas condições, segundo a Caixa. Nos casos que envolvem perda do imóvel o patrimônio vai a leilão e, no caso de ser vendido acima do valor do contrato, o montante é ressarcido ao mutuário, de acordo com Dornellas.

As recomendações devem ser levadas em conta na hora de contratar um financiamento, principalmente observar as propagandas, inclusive no o feirão de imóveis. Antes de adquirir uma dívida e pior, uma dor de cabeça por anos, a dica dos especialistas é muita pesquisa e simulações do financiamento, de uma forma que não comprometa a renda em mais de 30%.

 

 

 

Faça uma Simulação

Você pode adquirir casa, carro ou moto pagando parcelas mensais sem juros.

Ver Planos

O que deseja?

Consórcio de Imóveis Escolha o Produto